4 - Breve biografia de Henrique de Aragão

Um dos ícones da arte sacra no Brasil, Joaquim Henrique de Aragão nasceu em Campina Grande (PB) no dia 1º de agosto de 1931 e morreu em Ibiporã, em 25 de agosto de 2015. Fez cursos de artes na Itália e na França entre 1959 e 1962, e a partir de 1963 passou a se dedicar à arte sacra, residindo em São Paulo. Em 1965 veio pela primeira vez a Ibiporã (PR) para executar o projeto da Capela do Guarani e morou dois anos na residência de Orlando Pelisson e Aparecida Peretti Pelisson. Durante este período pintou a cúpula da Igreja Matriz local, a simbólica imagem do pelicano com seus filhotes e pássaros voando ao seu encontro, uma alusão à Eucaristia.

Em 1967 pintou a abside (abóbada) da Catedral de Apucarana (PR), a convite do bispo Dom Romeu Alberti. Mudou-se para Ibiporã por volta de 1967 e morou por cerca de dois anos na residência de Orlando Pelisson e de Aparecida Peretti Pelisson até conseguir do prefeito Ciro Ibirá de Barros (1963-69) a doação de um barracão onde passou a morar e onde constituiu, em 1969, a Casa de Artes e Ofícios Paulo VI.

A Casa de Artes foi o local onde Henrique manteve durante 46 anos o seu ateliê de pintura e escultura, e onde eram realizadas aulas de teatro, música, literatura, dança e artes plásticas. O espaço conta com um teatro ao ar livre (o Teatro de Arena Eutália Aragão, em homenagem à mãe do artista), lago e jardim, o ateliê de produção e uma galeria de arte com dezenas de obras que despertam a atenção de visitantes do Brasil e exterior.

Após a morte de Aragão, em agosto de 2015, o imóvel e o seu acervo foram transferidos para o Município de Ibiporã em 2016 e hoje são administrados pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, ficando localizados à Rua 1º de Maio, 224 - Centro - Ibiporã.

Em sua obra sacra, Henrique resgata o humanismo, ao mesmo tempo em que pratica uma poética gestada em um expressionismo muito pessoal: "O homem se encontra diante da manifestação do sagrado, faz a experiência do divino e nesta experiência descobre o significado da condição humana", analisa a artista Adalice Araújo, autora do Dicionário de Artes Plásticas do Paraná (2006).

 

 

Pesquisa: Jaime Kaster/ MHAI

Fonte: ARAÚJO, Adalice Maria de.  Dicionário das Artes Plásticas no Paraná. Curitiba: Edição do Autor, 2006, p. 289-290.

 

Mais informações e biografia de Henrique de Aragão, no site Artes na Web:

http://www.artesnaweb.com.br/index.php?pagina=home&abrir=arte&acervo=192