1- Início com a vinda do padre José Zanelli

As manifestações artísticas em Ibiporã tiveram um impulso inicial no final da década de 1940, com a chegada do jovem padre José Zanelli, que desembarcou na cidade, vindo da Itália, em 1948. Muito inteligente e culto, foi vigário na cidade quando o pároco era o padre Leone Gervasoni - ambos da mesma congregação italiana, o PIME (Pontifício Instituto para as Missões Exteriores).

Zanelli tinha uma "cabeça cheia de sonhos" e logo começou a colocá-los em prática. Gostava de música e produzia partituras, tocava vários instrumentos e dava aula aos jovens.

Entendia também de teatro. Era dramaturgo, escrevia peças teatrais e dirigia cada ato, que era encenado ao som de sua música. Fundou o Coral Santa Cecília, no qual os cantores eram jovens e crianças. Este grupo continua em atividade até hoje na Igreja Matriz.

A muitos jovens e adultos, alguns analfabetos, Zanelli, com seu modo carinhoso, mas enérgico, ensinava a ler partituras e conseguia que aprendessem a tocar piano, violino, instrumentos de sopro e de percussão. Com recursos próprios, comprou instrumentos para uma pequena banda de música. Essa banda, chamada de “Furiosa”, fazia muito sucesso e passou a fazer parte das festas locais.

Certa vez o padre José Zanelli ganhou numa rifa uma quantia em dinheiro que tratou logo de aplicar. Comprou o terreno onde hoje se localiza a Prefeitura Municipal e a Câmara de Vereadores (na Rua Padre Vitoriano Valente). Ali formou um campo de futebol, com arquibancadas, o único na região com esse recurso. Fundou no local o time do Cruzeiro, que era conhecido como “o time do padre”. Além de futebol, realizava corridas de motocicleta e bicicleta, e promovia campeonato de xadrez e pingue-pongue.

O SALÃO PIO XII

Logo que chegou a Ibiporã, Zanelli tratou de reformar o barracão que ficava ao lado da igreja de madeira, transformando-o no Salão Pio XII. Construiu no local um palco para que a comunidade pudesse ter um lugar para apresentações culturais aos finais de semana: peças de teatro, operetas, canto, projeções de cinema e shows de calouros.

Zanelli era catequista e após as aulas convidava os jovens para sessões de filmes no Pio XII. Também vinham pessoas das cidades vizinhas para assistir aos filmes, acompanhar as produções de arte, peças teatrais e shows de calouros. O padre ainda trouxe cantores famosos da época para Ibiporã, como Vicente Celestino, Nelson Gonçalves e Gregório Barros.

Padre José Zanelli permaneceu em nossa cidade até o ano de 1959. Devido a esse intenso trabalho cultural, o Cine Teatro Municipal, construído em 1988, levou o seu nome.